Ir direto para menu de acessibilidade.
Página inicial > Ministério da Saúde publica alerta de MHT sobre primeiro medicamento para tratamento de doença genética rara
Início do conteúdo da página

Ministério da Saúde publica alerta de MHT sobre primeiro medicamento para tratamento de doença genética rara

  • Publicado: Segunda, 01 de Agosto de 2022, 15h23
  • Última atualização em Sexta, 05 de Agosto de 2022, 12h15
  • Acessos: 613

A colestase intra-hepática familiar progressiva tem início na infância e mortalidade precoce quando se apresenta na forma grave

O Ministério da Saúde publicou o alerta de Monitoramento do Horizonte Tecnológico (MHT) sobre o odevixibat, medicamento para colestase intra-hepática familiar progressiva. A doença rara ainda não tem tratamento medicamentoso específico. Essa é a primeira tecnologia para o tratamento, registrada em 2021 na Food and Drug Administration (FDA), agência reguladora de medicamentos dos Estados Unidos. No Brasil, o odevixibat ainda não possui registro na Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa). O documento foi elaborado pelo Núcleo de Avaliação de Tecnologias em Saúde do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto, da Universidade de São Paulo (NATS-HCFMRP/USP).

A colestase intra-hepática familiar progressiva compõe um grupo de doenças genéticas raras. Tem início na infância e mortalidade precoce quando se apresenta na forma grave. A doença interfere drasticamente no crescimento, desenvolvimento e na qualidade de vida desses pacientes e de seus familiares.

Mais informações estão disponíveis no documento, incluindo desempenho dos estudos clínicos. Acesse aqui.

O material não é um guia de prática clínica e não representa posicionamento do Ministério da Saúde quanto à utilização do medicamento odevixibat para o tratamento da colestase intra-hepática familiar progressiva.

O MHT é uma etapa específica no processo de Avaliação de Tecnologias em Saúde (ATS), que tem como objetivo identificar tecnologias novas e emergentes e prever os impactos que essas possam causar no sistema de saúde. Nesse sentido, o MHT pode auxiliar o processo de incorporação, no que diz respeito à antecipação das demandas e a identificação de tecnologias que tenham custo financeiro viável para o SUS, mas também impacto favorável na prática clínica, na organização dos serviços e nos aspectos sociais e éticos associados à sua utilização.

registrado em:
Fim do conteúdo da página